geshe-la

“Todos os dias, do fundo do nosso coração, devemos fazer preces aos Budas iluminados, mantendo profunda fé neles. Esse é um método simples para recebermos continuamente as bênçãos de Buda. Também devemos participar das preces em grupo, denominadas “pujas”, que são organizadas nos templos budistas. Esses pujas são poderosos métodos para recebermos bênçãos e proteção dos Budas.”

Geshe Kelsang Gyatso, Budismo Moderno – O caminho da compaixão e sabedoria. Editora Tharpa Brasil.

Pujas são preces cantadas tradicionais, é a maneira como rezamos. Ao seguirmos a sadana (livreto que acompanha cada Puja) e acompanharmos as preces, em português, geramos estados mentais positivos e meditamos ao mesmo tempo que recebemos as poderosas bênçãos dos seres iluminados.

“Ao revelar o caminho de sabedoria que nos levará a conquistar a meta última da vida humana, Buda está efetivamente nos libertando. Devemos contemplar esse ponto repetidamente até gerar profunda fé em Buda.”

Geshe Kelsang Gyatso, Budismo Moderno – O caminho da compaixão e sabedoria. Editora Tharpa Brasil.

Em “Viver significativamente, morrer com alegria”, Geshe Kelsang também diz:

“O poder das nossas preces depende da força e da pureza da nossa intenção.”

E como sempre explica, a melhor e mais pura de todas as intenções é a compaixão.

“Se tivermos essa intenção genuinamente compassiva, nossas preces, com certeza, serão eficazes.”

“Muitas pessoas religiosas, budistas ou não budistas, compreendem por experiência própria a eficácia de rezar. A prece é por natureza uma intenção ou aspiração; sendo assim, é essencialmente uma ação mental. As palavras de uma prece nos ajudam a concentrar nossa mente e evocar fé, mas elas não são a prece propriamente dita. Na realidade, podemos rezar sem recitar palavras. O mais importante é nos concentrarmos no significado daquilo que estamos recitando, sem nos distrair. Porque somos budistas fazemos preces na frente de uma imagem de Buda ou de uma assembleia visualizada de Budas, cosiderando-os como Budas vivos. Preces feitas diante desses seres sagrados são muito poderosas para nos levar aos efeitos desejados.”

Je Tsongkhapa